Brandium Agency

Design de marca/ logomarca

Ao investir em criação de design de marca/ logomarca é importante que as expectativas e estratégias para se beneficiar deste serviço sejam ser claras. Nesta página proporcionamos algumas perspectivas para ajudar a tomar decisões mais estruturadas e seguras.

Ilustração decorativa de design de marca da Brandium

O Design de Marca e o seu contexto

Marcas são representações de valor/ qualidade. E elas são relevantes, não porque sem elas seja impossível trocar “valor”, mas porque por meio delas se pode comunicar e trocar valor de forma mais eficaz e eficiente. 

O termo logomarca designa, de forma comum, a representação gráfica de uma marca / o design da marca. Existem atividades econômicas e contextos em que o desenho de marca é mais crítico, e, outras em que é menos. E isso depende da cada negócio/ marca; suas atividades econômicas, contexto de operação; análise competitiva, valor produzido; limitações; públicos alvo; fatores de diferenciação competitiva; estratégias e custo de aquisição de clientes, etc. 

Há setores de atividade econômica e mercados com dinâmicas de competição e comunicação muito diferentes. Onde, por exemplo, os requisitos mínimos para competir são totalmente diferentes. Tanto qualitativamente, quanto quantitativamente. E que, sim, impactam de forma distinta na estratégia de design. Por exemplo, setores que:

– Demandam grande intensidade de comunicação;
 Demandam qualidade da comunicação altíssima. Seja pela natureza dos produtos/ serviços ou em razão dos públicos a atingir, e do nível da concorrência;
– Setores em que há prevalência do digital sobre o offline. E o inverso também;
– Setores que são híbridos, Phigital. Onde tanto o online, quanto o offline são críticos;
– Setores onde a qualidade média do design é muito baixa, e, portanto, é mais fácil estabelecer contraste por meio do design.
– Etc.

Se o design de Marca é mais ou menos crítico para o negócio A ou B, o que fazer, e, como fazer, depende de uma análise contextual caso a caso. Todos os projetos têm as suas peculiaridades e desafios, os quais – obviamente – impõem graus de dificuldade distintos. E, portanto, custos distintos. 

A marca é a mensagem

Sim, a marca é a mensagem. E a boa representação gráfica dessa mensagem maximiza a sua eficiência e eficácia em processos de comunicação. 

Eficiência se atinge quando se representa:

– Com alinhamento estratégico;
-De forma única, sem “modismos”;
– De forma relevante para o seu público;
– Com diferenciação da concorrência;
– Oferecendo flexibilidade na sua aplicação;
– A cores ou simplesmente a preto e branco;
– etc.

E a eficácia se atinge quando há capacidade para performar:

– Sozinha, isoladamente;
– Sem precisar “maquilhagem”;
– Sem precisar de “acessórios”;
– Claramente se destacando das demais;
– Etc.

A ausência de bom design é prejudicial?

Sim é! 

Não é fácil, nem barato adquirir clientes. E a maioria das pessoas têm menos paciência e tempo a “perder” hoje que há 10 anos. A decisão de engajar ou não com uma comunicação/ oferta é tomada em poucos segundos. Marcas com maior qualidade na sua representação gráfica transmitem maior segurança. 

Todos buscamos maximizar benefícios (expetativa de receber valor) e reduzir riscos (possibilidade de perder valor, tempo). 

A ausência de qualidade simplesmente não ajuda a reduzir a percepção de risco, nem ajuda a aumentar a percepção de benefícios. Muito pelo contrário.

O design de marca

Trata da representação gráfica por meio de um conjunto de requisitos técnicos e estratégicos. Os quais, quando bem configurados e utilizados em prol da estratégia de marca, e de posicionamento, podem ampliar em muito a eficiência e eficácia. 

Requisitos Funcionais

– Funcionar a cores e a preto e branco;
– Ter bom Contraste;
– Ter boa Legibilidade;
– Ter boa Redução/Ampliação (versatilidade);
– Ter boa Reprodutibilidade (permite usar vários meios de impressão/ gravação);
– Ser Phigital (funcionar bem no online e no offline);
– Ser Responsiva;
– Ser Memorável;
– Poder ser Atemporal;
– Etc.

Requisitos Estratégicos

– Alinhamento Estratégico
– Ser única (evitar modismos e clichês);
– Proporcionar diferenciação;
– Ser relevante;
– Poder ser protegida no INPI com exclusividade, tanto no conjunto dos seus elementos, quanto na individualidade dos elementos. Impossibilitando, por exemplo, que marcas concorrentes se utilizem dos mesmo símbolos (há símbolos que são de uso comum, e que são de domínio público).

A Identidade Visual

O Design de Marca e a Identidade Visual são disciplinas interdependentes. E, portanto, não são a mesma coisa. 
A Identidade Visual trata de aspectos “Visuais” de identidade mais amplos.  

O Design de Identidade Visual amplia o conceito de Identidade de Marca para além da sua simples representação gráfica (isolada) para estudar e propor relações entre diferentes recursos gráficos (marca, cores, fontes, fotografia etc) para atender um conjunto de necessidades comunicação previsíveis. E, simultaneamente, para proporcionar flexibilidade e versatilidade nas respostas a necessidades imprevisíveis ao longo do tempo. Possibilitando que, onde a comunicação da marca estiver, ela seja sentida com a mesma autenticidade e integridade. 

A comunicação visual é parametrizada tanto por meio de recursos, quanto por regras de utilização. 

Exemplos de Recursos

– Versões da Marca
– Tipografia (fontes)
– Paletas de cores;
– Estilo(s) de Fotografia
– Estilo de Ilustrações
– Elementos gráficos de apoio
– Padrões
– Iconografia (se for relevante)
– Etc

Exemplos de Regras de aplicação

– Margens de segurança (Logomarca)
– Reduções mínimas (Logomarca) 
– Uso de cor (primário/ secundário)
– Relações entre títulos, subtítulos, corpo de texto
– Orientações para escolha de imagens/ conteúdos (alinhadas à estratégia da marca)
– Relações entre imagens e textos
– Uso do espaço (mais ou menos enfase, quando e onde)
– Etc.

A sofisticação e complexidade da parametrização de uma Identidade Visual pode variar do “8 ao 80”; do básico (mínimo essencial) à customização e manualização de múltiplos recursos e processos de comunicação. 

Estratégia para Design de Marca e Identidade Visual

Tem como objetivo estabelecer um plano de plano de ação para conduzir o desenvolvimento de design com alinhamento a estratégias e contexto. De forma que os resultados a atingir se tornem claros, menos subjetivos e sejam qualitativamente mensuráveis. Evitando ruídos de comunicação entre cliente e equipe de design, desperdício de tempo, e desgaste desnecessário. 

Uma das formas de testar e selecionar o melhor plano de ação é por meio do Design Discovery. Uma fase preliminar do design da marca onde se testa – de forma ágil – múltiplas hipóteses de forma contextualizada, para identificar oportunidades, riscos e benefícios de cada possibilidade,  para então decidir o que desenvolver e aprimorar de forma estruturada e otimizada. 

Recomendação:
O Design de Marca e Identidade Visual são disciplinas interdependentes, porém distintas. Por esse motivo, a Logomarca
deve ser avaliada e validada, também, de forma independente da Identidade Visual. Se o design da Logomarca necessitar da Identidade Visual para “parar de pé”. É porque “falta” design. E, vejamos, não há qualquer problema em decidir ter uma Logomarca muito simples ou até aparentemente comum. E criar impacto, sensações e emoções por meio da identidade visual. Isso só precisa fazer MUITO sentido do ponto de vista estratégico. Este tipo de solução pode se tornar frustrante. Fantástica no papel, e ineficaz na realidade do dia a dia de quem vai ter de desenvolver negócios e comunicação com este tipo de solução de marca. 

Na Brandium

Possuímos ampla experiência para desenvolver estratégia, criar e desenvolver marcas. Sinta-se à vontade para solicitar/ agendar uma reunião para conversar conosco. 

Conheça o nosso
portfólio de Design
de Marcas

Nosso portfólio de
Design Gráfico